O Custo de Transporte como Barreira ao Comércio na Integração Econômica: O Caso do Nordeste

Authors:

Eduardo Simões de Almeida – Universidade de São Paulo

Joaquim Guilhoto – Universidade de São Paulo

 Resumo: O foco da estratégia de integração do governo brasileiro nos últimos anos está na tentativa de acordos de integração econômica externa tanto em negociações Norte-Sul quanto Sul-Sul. Contudo, tais negociações – quer no âmbito da Rodada de Doha, quer no âmbito de blocos regionais (Alca, Mercosul etc.) – enfrentam sérias dificuldades para a sua concretização, além de uma extrema morosidade. Em vista disso, a opção da integração econômica interna pode ser uma saída para esse impasse no sentido de ser uma fonte de ganhos de bem-estar social e de promoção de eqüidade regional. Essa opção depende apenas da disposição do governo brasileiro e a lógica da estratégia de uma integração interna baseia-se na redução dos custos de transporte, entendidos como sendo uma barreira ao comércio interestadual. Uma comparação dos resultados da integração econômica interna com a externa, tendo como foco a economia do Nordeste, mostra-se relevante nesse momento. Dada a extrema complexidade do fenômeno a ser estudado, a metodologia apropriada para captar todos esses efeitos é a construção de modelos de equilíbrio geral aplicado espacial (EGAE). Assim, será elaborado o modelo BRASIL-SPACE, um modelo EGAE para análise de políticas de integração econômica no país e com destaque para a economia do Nordeste. Esse modelo incorporará explicitamente os custos de transporte como uma barreira de comércio. A estrutura teórica do modelo está desenvolvida para as cinco macro-regiões brasileiras e cinco regiões externas (Nafta, Ásia, União Européia com 25 membros, a Alcsa composta pelos países sul-americanos e o resto do mundo). O modelo compreende três fatores de produção, a saber, mão-de-obra, capital humano e outros fatores. Foram simulados diversos experimentos controlados de políticas de integração econômica tanto externa quanto interna com o objetivo de se analisar quais são as melhores opções de integração abertas ao País e para Minas Gerais, avaliadas sob o prisma da eficiência econômica e da eqüidade regional.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s